Brasil
Publicada em 26/01/16 as 15:30h - 137 visualizações
Movimento do Comércio atinge seu pior índice em 2015, caindo 3,1%

Da Redação


 (Foto: Divulgação)

A elevação dos juros ao longo de 2015, o mercado de trabalho deteriorado e a inflação alta inibiram o consumo das famílias e contribuíram para o baixo desempenho do comércio no ano passado. O movimento no varejo caiu 3,1% na comparação com 2014, segundo a Boa Vista Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC).

Este é o pior resultado da série histórica, que se iniciou em 2010. A estimativa para 2016 é um cenário de novas perdas, já que não há mudança no cenário econômico e a confiança do consumidor deverá seguir em baixa, afetando as vendas do setor.

Em dezembro de 2015, o movimento do comércio caiu 1,3% na comparação com novembro, já descartados os efeitos sazonais. Na comparação com o último mês de 2014, a queda verificada foi de 7,0%. "Dezembro somente consolidou a tendência de queda mostrada pelo varejo, que desde julho de 2015 já se encontrava em território negativo", ressalta a Boa Vista.

Os cinco segmentos pesquisados que são avaliados registraram queda no ano. A retração mais intensa foi no setor de tecidos, vestuários e calçados (-6,1%), seguido por móveis e eletrodomésticos (-4,2%), combustíveis e lubrificantes (-3,5%), supermercado, alimentos e bebidas (-2,5%) e outros artigos do varejo (-0,2%).

Na passagem de novembro para dezembro, o segmento de outros artigos do varejo registrou avanço de 5,9% e o de combustíveis e lubrificantes, de 0,5%. Por outro lado, o movimento no segmento de móveis e eletrodomésticos caiu 3,5%, no de tecidos, vestuários e calçados, 2,4%, e no de supermercado, alimentos e bebidas, 1,5%.




Deixe seu comentário!

ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Parceiros
Jornal Divulgação Exata - (11) 2897-5833 - redacao@jornalexata.com.br
Copyright (c) 2017 - Jornal Divulgação Exata - Todos os direitos reservados